Acho que se um dia, por acaso, eu te encontrasse na rua, eu ia fingir que eu não te conheço. Porque meu coração ia acelerar tanto que eu não ia conseguir falar nada. Eu sempre consigo disfarçar meu nervosismo falando mais. E tudo bem, porque eu já sou o tipo de pessoa que fala demais. Mas com você eu recuo. Minha vontade era pular no seu pescoço e falar o quanto eu senti sua falta por todo esse tempo. Depois eu ia segurar sua mão e te levar pra algum lugar que só existisse a gente. Eu ia te falar do medo que eu tive de você não aparecer nunca mais e do desespero que eu fiquei quando descobri que não existe ninguém como você. Mas eu não faria nada disso. Eu ia fugir e torcer pra que você não tenha me visto. Ia me esconder. E se sem querer, nossos olhares se encontrassem, eu ia querer viver mais cem anos só pra ver se eu te encontrava de novo. Assim, por acaso.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Marcela Picanço
Criadora e editora do De Repente dá Certo! Este blog é um mapa de onde minha imaginação foi. Agora, o caminho é de vocês. Sejam bem-vindos! Pra saber mais é só clicar ali em cima no: "Quem escreve essas coisas?"