Setembro começou e com isso vem aquela sensação de que mais da metade do ano já foi. Em setembro eu sempre acordo meio atordoada sem saber se vou conseguir terminar tudo que eu tinha planejado pro meu ano, começo a me questionar sobre a vida, sobre o que eu quero. Acho que setembro sempre foi um mês fechado para balanço. Por isso, separei uma listinhas de coisas pra fazer durante o mês e não deixar ele passar morbidamente.

  • Happiness Jar

O Happiness Jar é um projeto criado pela Elizabeth Gilbert, autora do Comer, Rezar e Amar pra mostrar que sempre existe felicidade, até mesmo nos piores dias. A ideia é anotar em um papelzinho coisas que te fizeram feliz no dia, desde o detalhe mais bobo até algo grandioso, e colocar dentro de uma jarra de vidro. Assim, você passa a se lembrar mais das partes boas do seu dia e quando estiver triste pode abrir o pode e mergulhar na sua própria felicidade. Parece que não funciona, mas se você fizer como um exercício diário, você vai ver como faz diferença. Você vai pensar mais em coisas boas, vai se forçar a fazer mais do que te faz feliz e começar a ser grato pelo que tem. A mágica acontece em poucos dias quando você fica em paz com sua rotina.

  • Teste do arroz

Esse teste do arroz já é famoso pela Internet, mas eu passei a olhar a vida de outra forma depois que eu vi que deu certo. Não sei se existe alguma explicação científica, mas já que não faz mal a ninguém lidar com a vida de uma forma mais positiva, acho que não é um problema. O teste é o seguinte: você separa uma porção de arroz pronto em dois potes: um do amor e outro do ódio. Pode usar o restinho do arroz que ficou na panela. Todos os dias você deve falar palavras de amor para o pote do amor e palavras de ódio para o pote do ódio. Pode xingar, descarregar sua raiva toda no do ódio e no do amor pode despejar toda sua vibe do bem. No final de algumas semanas você vai ver que o pote do ódio estará todo cheio de fungos, preto e estragado, já o do amor estará limpinho.

  • Comprar uma planta para cuidar

Eu sei, essa lista de setembro parece papo de hippie, mas a gente se enrola em tanta bobagem no dia a dia que às vezes é bom parar pra se observar e se ouvir.

Ter um ser vivo que dependa de você pra existir é um dos maiores aprendizados da vida. Se você, assim como eu, não pode ter um bichinho de estimação, compre uma planta. Converse com ela, regue, entenda o tempo dela para crescer,  murchar e viver. Um dos maiores ensinamentos de uma planta é sobre o tempo. A gente não compreende o tempo das coisas, dos processos. Todos os seres vivos têm seus ciclos que demandam tempo e tudo na vida é assim. Você já viu o tempo de demora pra uma semente crescer? Você vai se lembrar disso quando olhar pra sua plantinha crescendo calmamente enquanto estiver afobado, pulando etapas dos processos naturais da vida.

  • Fazer as pazes com alguém e tirar aquele ressentimento ruim

Essa é uma das mais difíceis de fazer, mas vale a pena. É claro que alguns ressentimentos ficaram tão pra trás que nem machucam mais, mas outros pedem compreensão ou quem sabe só um esclarecimento. Todo mundo já se desentendeu com alguém e deixou pra lá, mas não perdoou, não esqueceu. A dica é escrever uma carta dando um ponto final nessa história, sem esperar que o outro te responda no mesmo tom. Perdoar é um gesto egoísta que causa um bem danado ao outro. É que, no fundo, perdoar causa um efeito muito melhor em quem perdoa do que quem é perdoado.

  • Transformar um dia de semana em um dia especial

Como terça-feira pode ser um dia tão cretino? Segunda-feira ainda tem aquele ar de recomeço, mas terça-feira é cruel. Cada um tem seu dia cretino da semana e por isso a ideia é transformá-lo em um dia especial. Vale pedir pizza, comprar vinho, ir ao cinema sozinho, ir a uma exposição, marcar alguma coisa com os amigos….Qualquer coisa que faça esse dia parecer mais legal do que ele é!

  • Andar na rua sem rumo

Todo mundo já leu essa dica em algum lugar, mas eu fiz isso em um dia de folga e o resultado foi incrível. Não aconteceu nada de especial, mas senti que o dia foi produtivo. Fui entrando em todos os lugares que eu nunca tinha entrado, passei a observar as pessoas e detalhes dos lugares. Quanto mais eu me deixo livre, mas conectada eu me sinto com o mundo e percebo que a nossa forma de olhar o mundo é o que determina o mundo.

  • Rever as resoluções de ano novo (ainda dá tempo!)

Minha resolução deste ano é escrever um livro e mais algumas outras coisas que estão na metade do caminho. O livro ainda nem comecei e cada dia que passa eu fico mais desesperada. A famosa procrastinação é a única coisa que mata os nossos sonhos. Sério, vamos começar e terminar as resoluções de ano novo neste mês? A gente se ajuda.

  • Sair pra dançar sem se preocupar com nada

Quem não gosta de dançar pode sair pra praticar um esporte. O importante é se movimentar e gerar endorfina sem se preocupar com mais nada. Deixa o seu corpo te guiar.

  • Finalmente dar check na sua lista de coisas chatas pra fazer

Chato, chato, chato, maaaas, todo mundo tem uma lista de coisas insuportáveis e burocráticas pra fazer. Dê check em toda essa lista neste mês sem reclamar. Você vai ver que a pior parte é pensar na lista, fazer nem é tão mal. Leve um livro ou uma história em quadrinhos se tiver que encarar filas. Vai lá e faz, vai lá e começa, vai lá e termina.

  • Turistar na sua própria cidade e ir a algum lugar que você nunca foi

Nem precisa se angustiar porque eu tenho certeza que existem vários lugares que você nunca conheceu. Procure em dicas de blogs, sites de viagens ou pergunte para pessoas diferentes. Quem sabe você não descobre um lugar novo por si só e acaba fazendo um guia da cidade? Taí, gostei.

Com todas essas metas divertidas e fáceis de fazer, setembro vai deixar de ser um mês de questionamentos e vai passar a ser um mês motivação e reencontro com as nossas vontades.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



Marcela Picanço
Criadora e editora do De Repente dá Certo! Este blog é um mapa de onde minha imaginação foi. Agora, o caminho é de vocês. Sejam bem-vindos! Pra saber mais é só clicar ali em cima no: "Quem escreve essas coisas?"